Archive | janeiro, 2012

Menor distribuição Linux

28 jan

Sistema Slitaz

O Slitaz é considerada a menor distribuição Linux existente, o projeto foi lançado em 22 de março de 2008.

O que impressiona nessa distribuição é o seu tamanho, a sua imagem possui apenas 30 MB contendo um desktop gráfico completo, incluindo navegador Firefox, calculadoras, visualizadores de pdf, seção de escritório com um aplicativo para anotação, play de áudio, aplicativo para configurar conexão de rede e muitas outras ferramentas de configuração, além de 448 programas de diferentes categorias que pode ser instalado pelo usuário. O projeto distribui uma imagem ISO que pode ser baixada e gravada em um CD ou em um pendriver. O usuário tem a opção de inicializar o sistema através dos dispositivos ou então instalar em uma máquina. A configuração de hardware para instalar o SliTaz é mínima precisando apenas de um processador i486 ou x86 e 128 MB de memória para rodar perfeitamente com todos os seus recursos super rapido. A instalação e totalmente automatizada e pode ser feita pelo instalador gráfico ou em modo texto.  O Slitaz é distribuído com o kernel linux 2.6.37 modificado para suportar compressão LZMA, um algoritimo melhorado que suporta compressão de até 4G, o sistema possui  um nível de suporte de hardware semelhante ao de outras distribuições maiores, reconhece  a maioria das placas de rede e som , discos IDE e SCSI , formatos de arquivo NTFS e ext3. Por padrão o sistema usa o gerenciador de janelas JWM, mas o usuário pode alterar para o  OpenBox um gerenciador de janela leve e rápido. Na parte de segurança o SliTaz possui suporte a iptables e a squid, as senhas dos usuários são criptografadas e somente o administrador da conta root pode modificar os arquivos do sistema.  Vale à pena testar e conhecer um pouco desse sistema visita o site:  http://www.slitaz.org/pt/ e faça o download da imagem ISO e da documentação do programa.

O que é o Linux

27 jan

O linux é um kernel, e ao mesmo tempo  o sistema  operacional que roda sobre ele. O kernel é o componente central da maioria dos sistemas operacionais e serve de ponte entre o sistema operacional  e o hardware. Ele foi criado  em 1991 por Linus Torvalds na Universidade de Helsinque na Finlândia, é um sistema de código aberto distribuido gratuitamente pela internet através da licença GPL, uma licença de software livre, para qualquer pessoa usar, estudar, modificar e distribuir de acordo com  os termos da licença. Atualmente o linux vem se destacando  e se tornando cada vez mais popular. Existe hoje várias distribuções que são criadas sobre a solidez do kernel linux, algumas maiores outras menores, criadas por indivíduos, grupos e organizações de todo o mundo, todas elas tem seu público e sua finalidade. Companhias como Red Hat, Suse, Mandriva, Canonical  e outras, fornece um sistema completo pronto para instalar e usar. A Canonical por exemplo tem o sistema Ubuntu muito simples, ideal para computadores pessoais, junto com o sistema vem  também  software para escritório, torrent, tocadores de vídeo e música, jogos, mensageiro instantâneo, navegador firefox, cliente de email, leitor de PDF, entre outros.

Em tempos de crise, soluções de codigo aberto se destacam, e são adotadas por empresas de todos os tamanhos. A disseminação do sistema Linux nas empresas brasileiras, e também em todo o mundo,  vem  crescendo a cada dia consequentimente o número de vagas de emprego  para profissionais nessa área também. Começa então a surgir uma carência de profissionais para atender essa demanda crescente, devido a isso algumas das empresas mais tradicionais do mercado passaram a investir em sistemas de certificações especificas para garantir a entrada e a sustentabilidade desses  profissionais no mercado de trabalho. A partir dai surgiram algumas certificações importantes como a distribuida pela Conectiva no Brasil e pela RedHat nos EUA, mas nenhuma destaca tanto quanto a certificação LPI, distribuida pela instiuição sem fins lucrativos LPI (Linux Professiona Institute). Fundada no Canadá em 1999, a LPI  tem como missão principal criar e manter programas de certificação profissional em sistemas Linux. A certificação LPI é independente da distribuição, sendo desenvolvida para certificar os conhecimentos do profissional nas mais conhecidas distribuições. Com isso, o profissional possui neutralidade, não ficando atrelado a uma única distribuição. A LPI tem comprometido com o desenvolvimento de um padrão mundial de certificação em Linux, tem como objetivo ir de encontro tanto às necessidades dos profissionais de TI quanto das organizações que os empregam  Os exames LPI podem ser aplicados em vários países e nas datas em que são divulgadas na página do instituto ( http://www.lpi.org ), há também empresas que aplicam provas de certificação, o candidato pode agendar os exames de certificação quando quiser.

As certificações são divididas em  três níveis, os quais são dependentes uns dos outros.

LPIC-1 – Adminsitrador nível júnior (provas 101 e 102)

LIPC-2 – Administrador nível pleno (provas 201 e 202)

LPIC-3 – Administrador nível sênior ( provas 301, 302, 303, 304, 305 e 306).

A certificação LPI é  reconhecida mundialmente, obtendo ela você terá um diferencial  em seu curriculo, vai provar sua competência em relação ao sistema, terá mais vantagens competitiva no trabalho, além de ter um conhecimento mais aprofundado no mundo linux.